• Futebol em Rede

O Flamengo encanta e incomoda o futebol brasileiro

O Flamengo encanta e incomoda o futebol brasileiro. É o time da moda. Joga o melhor futebol, tem dinheiro e acertou em cheio nas contratações e ainda trouxe um técnico, que se não tinha mais espaço na Europa, ganhou uma nova vida e contribui de forma salutar com o futebol brasileiro. Mas isso encanta e incomoda muita gente. É normal. De tempos em tempos um grande time ganha muito e começa a ser exemplo para tudo.



O Flamengo encanta pelo ótimo futebol e incomoda porque mexe com o marasmo de vários clubes que só olharam para o próprio umbigo e se distanciaram da realidade de um mundo globalizado. Não sou a favor de copiar tudo que vem de fora, mas também não se deve jogar fora boas inspirações e experiências que deram certo. Não precisa fazer igual, mas serve de referência.



O mundo todo continua querendo copiar o modelo Guardiola do melhor Barcelona da história. Não dá, você pode jogar assim por alguns momentos do jogo, mas para jogar igual seria preciso ter jogadores com a mesma qualidade e isso não é para qualquer um. Aquilo foi exceção. Mas Klopp conseguiu aprimorar o toque com mais velocidade e mais opção de jogo e hoje se bate direto com Guardiola. Melhor para o futebol.



Digo isto porque tivemos grandes times em várias décadas que viraram referência, foram imitados, mas nunca copiados na sua essência. Até porque eles começam a ser combatidos pelos adversários esportivamente dentro do campo e até por inveja fora do campo.



Hoje querem ganhar do Flamengo. O esquema de Jorge Jesus já é conhecido e os adversários descobrem brechas. Nenhum time é perfeito ou imbatível. Também tem seus defeitos e maus momentos. O Chelsea tirou o Barcelona da final da Liga dos Campeões, em 2012, e foi campeão em plena Munique, contra o Baryern. Ou seja, venceu dois times que eram mais fortes que ele. Os matou nos seus próprios esquemas. É do jogo.



Portanto, desfrutem do grande momento do Flamengo, que tomara seja coroado pela conquista da Libertadores da América. Seria bem-vindo para o futebol brasileiro e para arejar algumas mentes, mas isso não é suficiente para mexer totalmente com o nosso modo de jogar. É preciso ir mais à frente, buscar alternativas e creia-me, voltar a jogar o nosso verdadeiro futebol. Aquele de bola no pé, de passes certos, de dribles desconcertantes e de chegadas certeiras ao gol adversário. Quando o Brasil fazia isso era o melhor do Mundo. Agora mais nos defendemos que atacamos. Culpa de quem? De um monte de técnico medroso ou de dirigentes que não lhe dão retaguarda suficiente? É discussão para Simpósio.



Vários times já foram referência, mas foram engolidos pelo tempo, que é inexorável, ou pela sua própria arrogância ao se achar imbatível. Um grande time dura no máximo 3 anos. Antes durava mais. O Santos de Pelé, o Cruzeiro de Tostão, o Inter de Falcão, o Palmeiras de Ademir da Guia, duraram mais tempo, mas eram outros tempos. Fosse hoje, creio que esses caras estariam jogando na Europa e os times perderiam sua força.



O São Paulo era considerado o clube mais organizado do país e se perdeu. Teve os grandes times da década de 70, quando se rivalizava com a Academia do Palmeiras, depois o grande time de Telê e Muricy. Acabou. O Santos de Leão, Robinho e Diego, depois também com Luxemburgo, fez sua história e depois teve Neymar sob o comando de Dorival Júnior e Muricy Ramalho. O Corinthians de Luxemburgo e Oswaldo de Oliveira no final do século passado. A grande fase com Tite campeão de tudo. O Flamengo de Zico, o Vasco de Roberto Dinamite, o Bahia de Bobô, Charles e Cláudio Adão tendo como técnico Evaristo de Macedo. O Atlético Mineiro de Reinaldo. O Palmeiras de Evair, Zinho, Edmundo, Cafu, Marcos e Roberto Carlos. O Cruzeiro de Alex e Luxemburgo. Todos esses times encantaram, viraram moda e entraram para a história.



O que eu quero dizer é que o momento é de aplaudir o Flamengo porque isso passa e depois vira história. Nada é para sempre, a gente sabe disso, mas às vezes trata algumas situações como eternas, mas o tempo desmente a gente. O que fazer para repetir o Flamengo? Investir e contratar certo? Isso é difícil e nem sempre é garantia de vitórias. Palmeiras investiu também e não chegou lá. Grêmio correu por fora sem tanto investimento e mostrou bom futebol na maior parte do tempo. O Santos idem. Ou seja, dá para competir e aplaudir quem está melhor sem fazer biquinho. É só continuar trabalhando. Uma hora dá certo. Até porque não adianta, só um vai ser campeão.