• Futebol em Rede

O dia seguinte de Messi

É verão na agora ensolarada Espanha, é a semana do inicio do Campeonato, é expectativa de que de alguma maneira alguma coisa volte ao normal. Mas algo está fora de lugar. Lionel acorda de um sono atribulado, sonhou com gols, títulos, com o estádio lotado e com os abraços dos companheiros. Sonhou que voltava para casa cheio de glórias e discretamente sorrindo como sempre. Mas desta vez também chorou enquanto dormia.



Lionel toma seu lauto café da manhã e se prepara para sair. Vai até a garagem para pegar um dos seus belos carros e seguir até o Centro de Treinamento do Barça. Daí se lembra que não há mais Barça. E agora? O que fazer nesse dia seguinte a despedida de um dos maiores amores de sua vida? A pior coisa é se separar quando ainda há muito amor. Fica se penalizando por algo que não fez e fica se perguntando onde errou. Por que não me querem mais lá?Aí vem o misto de amor, angustia e raiva. Não podiam ter feito isso comigo.



Lionel volta para dentro de casa. Não tem para onde ir. Espera os próximos passos, as propostas que chegam aos montes. Afinal suas pernas comandam um dos desempregados mais cobiçados do mundo e ele, no entanto, paga a pena de ser tão caro. Isso assusta muitos clubes. O Fair Play financeiro entrou na sua vida para valer e o tirou do lugar que mais amava, onde ele achou que ficaria para sempre, mas nada é para sempre.



Lionel está cansado, desgastado, dormiu mal, chorou muito, teve apoio dos seus, mas ainda parece um pesadelo. Lionel pega o carro, sai de casa e vai para as ruas de Barcelona para espairecer. Quando se dá conta o carro o leva ao Nou Camp. É o costume, é o caminho, está automatizado, é todo dia assim. Não, Lionel, era todo dia assim.



Contempla mais uma vez sua ex-casa, o palco onde desfilou toda sua genialidade e se despede mais uma vez sabendo que talvez amanhã o seu inconsciente o leve de volta para lá para aplacar saudades que já são enormes. Vai ser difícil superar essa separação, mas Lionel sabe também que Messi precisa tanto de Lionel quanto Lionel precisa de Messi. Esses dois juntos são fortes. É hora mesmo de dizer Adeus. Um Adeus triste, consolador e temeroso. Afinal, nesse Adeus está embutida uma pergunta muito séria: "Será que um dia serei tão feliz quanto fui aqui?"



Lionel sentirá muita falta do Barcelona, mas tenho certeza absoluta que o Barcelona também sentirá muita falta de Messi. Foi um das histórias mais lindas do futebol Mundial. Será quase impossível repeti-la. Boa sorte, Lionel. Cuide bem do Messi, ele precisa muito de você e nós também. Ainda queremos ver sua arte por um bom tempo.