• Futebol em Rede

FUTURO CONTINUA CABULOSO

Terminou em frustração a tentativa desesperada do Cruzeiro de tirar o pé do atoleiro na temporada 2020. Só na série B do Brasileiro foram três treinadores, muitas promessas, ilusão e a fantasia foi rasgada pela realidade desesperadora do clube, falta dinheiro para evitar o caos. Lógico que a eleição de Sérgio Santos Rodrigues não seria o fim dos erros, nem o apoio do colaborador Pedro Lourenço com ajuda financeira, iria por ponto final nos problemas do clube. Eles não fariam milagres. Mas poderiam evitar novos erros.



A saída de Felipão ( Foto – Divulgação ) do clube, ilustra o momento do Cruzeiro. Depois de começar a competição com Enderson Moreira, entrar em desespero com Ney Franco e receberem negativas de vários técnicos, a solução foi apostar alto. Convenceram Felipão a aceitar o desafio com duas promessas: salários em dia e contratações. Não cumpriram as promessas. Só três reforços chegaram, nova proibição de registro de jogadores apareceu, dívida não paga da venda do zagueiro Bruno Viana em 2016. Os salários atrasados geraram protesto e não concentração diante do Oeste.


Felipão fez a parte dele e foi muito solidário com o momento do clube. Pegou o Cruzeiro ameaçado de degola, evitou o rebaixamento com 55 % de aproveitamento e até fez surgir momentos de esperança na competição. Deixou o clube pedindo demissão e evitando uma multa impagável para o clube. Merece até agradecimento do torcedor. Felipão não precisava do Cruzeiro, em nada aumentaria seu prestígio salvar o clube. O Cruzeiro não conseguiu cumprir o prometido. Não vai dar para sair do atoleiro, cada um siga seu caminho.


Até considero que a ideia de trazer Felipão dava credibilidade a tentativa de resgatar o clube. O problema foi trazer o treinador e não conseguir fazer o combinado. Sem reforços, sem salários em dia e com nova proibição de registros de jogadores, o cenário continua sendo de naufrágio. Foi pura ilusão ou fantasia a ideia de trazer Felipão sem a contrapartida esperada. Salvou o clube de um vexame de rebaixamento, sim. Porém, não deixou esperança de dias melhores, pelo contrário. A realidade impede sonhos ou fantasias.


O cenário do Cruzeiro segue assustador, nada de fazer tremer adversários, mas de fazer o próprio torcedor ficar apavorado. Para fazer caixa, precisa vender jogador. Os compradores exploram o conhecido momento delicado para diminuir preços. Caso venda alguém, não pode repor. Jogadores buscam a Justiça por salários atrasados. Torcedores buscam justiça com ameaças a antigos dirigentes e jogadores. Cada vez mais o Cruzeiro sonha com um mecenas ou um milagre. Presente e futuro são cabulosos, infelizmente.