top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

RISCO DAS APOSTASAMEAÇA O FUTEBOL

Olá amigos.

Infelizmente isso não é novidade: risco das apostas ameaçando o futebol. Inúmeras vezes através dos tempos surgiram casos de suspeitas, denúncias de “gavetas” (compra de jogadores adversários para entregarem o ouro), juízes comprados para favorecer ou prejudicar este ou aquele time, etc. Alguns casos foram comprovados, outros investigados e inocentando acusados.

Agora o Monte Azul veio a público informar e denunciar caso de suspeita de “arranjo” de situações favorecendo algum tipo de aposta ocorrido na sua partida da Série A2 do Paulistão contra o São Caetano.

Os lances que geraram suspeita foram em intervenções do seu zagueiro Kekel, nos quais ele cedeu escanteios “sem estar tão pressionado pelos adversários”. Após o segundo lance, aos 4 minutos do segundo tempo, o técnico Deco tirou o atleta do time substituindo-o.

Detalhes: ao todo a partida teve 11 escanteios, sendo dois a favor do Monte Azul e nove para o São Caetano. Uma empresa de Casa de Apostas que abre mercado de escanteios para apostas, colocou essa linha de escanteios em 10 ou mais. Antes esse mercado estava em jogo em partidas da Série A3.

Declaração do Monte Azul:

O Atlético Monte Azul vem a público esclarecer que, em respeito a seu valoroso torcedor e ao futebol ético, transparente e honesto, instaurou uma sindicância interna para apurar as graves infrações veiculadas nas mídias sociais e imprensa nos últimos dias.

Nesse sentido, o Atlético Monte Azul informa que todas as denúncias recebidas pelo clube serão também encaminhadas para os órgãos competentes da FPF, CBF e para autoridade policial competente.

Cumpre destacar que o Atlético Monte Azul não compactua com qualquer tipo de prática antidesportiva ou contrária a preceitos éticos e morais basilares, primando por um futebol justo e competitivo, repudiando veementemente as condutas narradas.

O Atlético Monte Azul não medirá esforços para que eventuais desvios de conduta sejam corrigidos e exemplarmente punidos, nos limites da lei.

Por fim, o clube reitera sua confiança no elenco profissional e equipe técnica.

Esta semana dentro de uma operação denominada PENALIDADE MÁXIMA, o Ministério Público está analisando jogos da Série A do Brasileirão.

De acordo com o promotor responsável pela investigação, Fernando Cesconetto, os jogadores da Série A que participavam do esquema recebiam até R$ 60 mil, quantia que saltava para R$ 100 mil nos Estaduais deste ano. A manipulação se dava por meio de ações dos jogadores dentro de campo.

Só faltava isso, agora, no nosso futebol.

Que as autoridades aprofundem as investigações e as tornem públicas para uma limpeza entre os envolvidos.

É lamentável essa denúncia, mas necessária, para o bem do próprio futebol brasileiro.

Um abraço.

Lucas Neto



Comments


bottom of page