top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

FIFA E CBF UNIDASCONTRA O RACISMO


Olá amigos !

A Seleção Brasileira, nas duas ultimas datas FIFA antes do Mundial do Qatar, venceu Gana (3 a 0) e Tunísia (5 a 1), adversários fracos e que acabaram sendo úteis para as últimas observações do técnico Tite e todo o seu “staff”.


Contra Gana, placar feito no primeiro tempo, poderia ter sido ampliado no segundo. Contra a Tunísia, o jogo virou guerra e foi útil para o grupo mostrar que evoluiu tecnicamente e que também tem “saco roxo”.


Como se esperava, Tite depois desses jogos, confirmou que a lista de convocados ainda está aberta e só iremos saber os que irão para o Mundial no dia 7 de novembro, data da inscrição dos convocados.


Pelo jeito o experiente Dani Alves que não precisava de testes, “sambou”. Pedro, que entrou contra a Tunísia no segundo tempo, fez gol, deu duas boas assistências e carimbou passaporte.


Ante os olhos do presidente da FIFA, Gianni Infantino, a Tunísia mostrou a sua violência contra os brasileiros em campo e à torcida tunisiana o seu péssimo comportamento na plateia do Parque dos Príncipes, achando que iriam desestabilizar emocionalmente a nossa Seleção.


Vaiaram o nosso Hino Nacional; atiraram objetos, copos e bananas para dentro de campo; imitaram macacos; usaram raios laser mirando os olhos dos nossos jogadores e da arbitragem. Em campo, caçaram os nossos atletas com entradas violentas e provocações. Neymar foi caçado os noventa minutos e foi “macho”. Jogou livre e solto por todos os lados do campo; Marquinhos, Thiago Silva, Casemiro e Fred neutralizaram essas tentativas que poderiam fazê-lo revidar e até ser expulso. Isso provou que o Neymar de agora é bem diferente do Neymar dos Mundiais de 2014 e 2018. No Brasil, em 14, uma joelhada na coluna contra a Colômbia, tirou-o da competição. Em 2018, na Rússia, 3 meses antes da Copa, uma fratura no quinto metatarso, atrapalhou a sua preparação e por isso jogou sem estar em sua melhor forma. Encenava e virou um cai/cai.


E o acontecido no estádio, com o péssimo, absurdo e estupido comportamento tunisiano, certamente irá influenciar a FIFA a severas punições contra essas ações racistas, violentas e antiesportivas que acontecem nos estádios em todo o mundo.

Louve-se o presidente da CBF Ednaldo Rodrigues que, faz tempo, denuncia e cobra da FIFA decisões e deliberações que punam os Clubes, Federações e Confederações quando isso acontecer. Que se exija das autoridades policiais a detenção desses “canalhas”; que sejam levados a julgamento e, identificados, sejam proibidos de entrarem nos estádios de seus países ou cidades.

Concordo com o Ednaldo. Se os clubes forem punidos com perda de mandos de jogos, de pontos, etc, os próprios torcedores irão fiscalizar e “dedurar” esses idiotas. Se forem grupos e/ou torcidas, perda de mandos. Outra hipótese levantada até pelo dirigente brasileiro: perda de 1 (um) ponto na tábua de classificação.


Mas, porém, com tudo, todavia, sei no que vocês estão pensando: não faltarão “malucos e fanáticos” que pela sua paixão, serão capazes de se infiltrar nas torcidas adversárias como se delas fossem para prejudicar o “inimigo”. Conclusão: ISSO NÃO TEM SOLUÇÃO, infelizmente.

Um dia... quem sabe... talvez...


Um abraço.

Lucas Neto



Comments


bottom of page