• Futebol em Rede

Thiago Nunes é só mais uma pedra no caminho de Andrés

Thiago Nunes é só mais uma pedra no caminho de Andrés. O presidente corintiano está isolado politicamente e futebolisticamente falando. A campanha do time é ruim, a ideia de mudar a fisionomia tática do time até agora não deu certo e as cobranças aumentam. Estar em útimo lugar do Grupo D do Paulista pesa demais. As possibilidades de classificação existem, mas os próximos jogos podem explodir em crise. Tem Ituano e o clássico com o Palmeiras, para muitos o divisor de águas para o futuro do técnico.



Ao mesmo tempo que está insatisfeito com os resultados e um pouco decepcionado com o trabalho, Andrés Sanchez precisa manter aquela aura de que não é um presidente que manda técnico embora a torto e a direito. Ficou com a fama por ter mantido Tite após a eliminação para o Tolima, em 2011, mas a história não é bem assim. Tite seria demitido, mas o jogo seguinte era contra o Palmeiras e os dirigentes decidiram esperar. Se ele vencesse continuaria, caso contrário sairia. Venceu com um gol de Alessandro num clássico modorrento, no Pacaembu, e se manteve para ser campeão da Libertadores invicto e campeão Mundial. Daí se criou também a fama de Andrés Sanchez, que sempre pensou que técnico é tudo igual.



A eliminação na primeira fase do Paulista não implica apenas numa nova mudança na Comissão Técnica, mas também em perda de Receita como já aconteceu com a eliminação da Libertadores. Para um clube tão endividado isso é a morte em vida. Além disso, Andrés tem apenas mais esse ano como presidente e está perdendo apoiadores para Paulo Garcia, seu apoiador de primeira hora nas últimas eleições, mas que agora quer ser ele o presidente e tem cooptado fiéis seguidores de Andrés por interesse ou sabe-se lá o quê.



Em meio a tudo isso há um movimento forte para a volta de Mário Gobbi à presidência. Ele tem ouvido muitos pedidos e outro dia num contato comigo confirmou que está mesmo pensando na possibilidade. É o presidente mais vitorioso da história do Corinthians e tem a seu favor o fato de não ter um dedinho sequer envolvido com a dívida do Estádio. Tudo foi assinado por Andrés Sanchez, amigo do Lula.



Há muitas outras pedras no caminho de Andrés que agora diz que não pretende mesmo continuar. Não é bem verdade, há pouco tempo o seu grupo tentou mudar o estatuto e ressuscitar o item que não permite mais reeleição do presidente. O Conselho não mexerá nisso justamente para que Andrés não continue. O irônico é que quem trouxe esse item para o Estatuto foi justamente Andrés Sanchez na sua primeira gestão por entender que a reeleição era maléfica para o clube e criava alguns monstros. Parece que se arrependeu depois de algum tempo.



Em suma, o ano promete ser longo e difícil para Andrés Sanchez. Terá muitas pedras no caminho e seu poder de barganha já não é o mesmo. Só não desdenhem do seu poder de manobra. É macaco velho na arte do futebol. Seus adversários, e detratores, que fiquem espertos. Conhece bem os bastidores do clube e do futebol.