top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

Santos vive cenário trágico após morte de Pelé


Nesta quinta-feira, 20/07, o elenco do Santos iniciou a concentração para o jogo de domingo,

na Vila Belmiro, com portões fechados, contra o líder Botafogo.


Ordem do técnico Paulo Turra.


Os jogadores treinaram pela manhã no CT Rei Pelé, com determinação para se apresentarem

às 18 horas, horário marcado para começar o período de reclusão total.


Jogadores de futebol detestam longos períodos de concentração.


Principalmente os solteiros.


Vivendo uma interminável crise, e rondando a zona de rebaixamento do Campeonato

Brasileiro, o Santos não pode perder para o time carioca, que lidera com uma incrível folga,

a competição nacional.


Se o Santos perder mais uma, como aliás virou rotina nas últimas temporadas, o técnico Paulo

Turra pode perder o emprego.


A pressão sobre ele é muito forte no clube.


Também não está nada fácil a vida de Paulo Roberto Falcão, que exerce (exerce?) o cargo

de Coordenador de Esportes do clube.


Falcão é criticado pela falta de diálogo com os jogadores.


E também por ter uma postura distante do dia a dia do Departamento de Futebol. A pressão

aumentou ao ser visto assistindo pela televisão à final do torneio de tênis de Wimbledon,

domingo no Estádio do Morumbi, momentos antes do início do jogo em que o Santos foi

humilhado pelo São Paulo e levou uma surra de 4 a1.


Outra atitude de Falcão que irritou os torcedores, jogadores e funcionários do Santos

foi o pedido de licença para passar cinco dias em Porto Alegre para comemorar o aniversário

da esposa, em meio à crise que o time enfrenta.


Por tudo isso Paulo Roberto Falcão é chamado de omisso.


Enquanto Falcão derrapa e balança no cargo, junto com Paulo Turra, o elenco está dividido,

rachado.


A liderança do goleiro João Paulo é questionada.


Até o treinador de goleiros Arzur, antes festejado pelo bom trabalho, agora é acusado

de proteger o goleiro reserva Diógenes.


No CT Rei Pelé são fortes os rumores de que Arzur protege Diógenes, tido no clube como

um goleiro com muitas deficiências técnicas, em detrimento do jovem Paulo Mazotti, que

está no Santos há mais de uma década e nunca teve uma oportunidade de mostrar serviço.

Há quem garanta também que Arzur, assim como Diógenes, têm a proteção de José Carlos

Oliveira, vice-presidente do clube.


Na Vila Belmiro, apontam José Carlos de Oliveira como o homem forte do futebol, com

poderes até maiores do que o presidente Andrés Rueda.


Soteldo continua afastado das atividades com o restante do elenco. Treina em horários

separados. O atacante venezuelano é considerado o jogador com mais virtudes

técnicas do elenco.


É o único atacante do time capaz de fazer a diferença em campo. O problema é que ele

entrou em rota de colisão com Paulo Turra e foi punido.


Lucas Pires e Nathan foram afastados após terem sido flagrados por integrantes de uma

torcida organizada do clube às cinco horas da madrugada em uma balada em Santos.

Daniel Ruiz, Lucas Barbosa, Ivonei e Ed Carlos foram afastados por Paulo Turra por

deficiência técnica.


Com tantos problemas, nem as últimas contratações feitas pelo clube (o lateral Dodô,


o volante Jean Lucas e o atacante argentino Julio Furch) conseguirão dar a estabilidade que

a equipe necessita para fugir do rebaixamento que, se vier, será o primeiro de sua história.


O presidente Andrés Rueda, que chegou ao clube com o discurso de que colocaria as

finanças em dia, faz uma gestão pífia.


O mandato de Rueda, que termina em dezembro, quando haverá eleição para

presidente e ele já avisou que não será candidato à reeleição, pode terminar com o

clube na Série B e com as finanças em frangalhos.


Pois que, se o time for mesmo rebaixado, vai enfrentar a fuga dos patrocinadores e a

consequente queda das receitas.


O Rei Pelé, morto no final do ano passado, certamente ficaria muito triste diante de um

cenário tão trágico.


Wladimir Miranda cobriu duas copas do mundo (90 e 98). Trabalhou nos jornais Gazeta Esportiva, Diário Popular, Jornal da Tarde, Diário do Comércio e também na Agência Estado. Iniciou no jornalismo na Rádio Gazeta. Trabalhou também na TVS, atual SBT. Escreveu dois livros,de grande aceitação no mercado editorial: O artilheiro indomável, as incríveis histórias de Serginho Chulapa e Esconderijos do futebol.

Comments


bottom of page