• Futebol em Rede

PRECISAMOS APREENDER COM OS ARGENTINOS


A evolução tecnológica, o surgimento de plataformas de streaming, abriram as portas dos documentários sobre esportes para o grande público. Facilitou o acesso, despertou interesse de quem viveu momentos marcantes e de quem só ouviu falar dos acontecimentos. Excelente. Podemos navegar, ver e rever personagens como Pelé, Maradona, Messi, Neymar, Michael Jordan e etc. Vou além disso. Podemos entender a essência desses ícones no esporte e reavaliar conceitos, apreender muito com esses personagens.


A maneira como contamos essas histórias diz muito sobre nós mesmos. Confesso que fiquei maravilhado com duas séries argentinas, que recomendo e considero importantes demais. A primeira é a série da Netflix BARRAS BRAVAS. Conta os bastidores das torcidas organizadas no futebol. Sim, o cenário é argentino, mas os problemas são universais e muitos fatos se repetem mundo a fora. É possível entender como essas organizações surgem, sobrevivem, fazem elos criminosos e defendem interesses econômicos.



Outra série que merece muita atenção é MARADONA CONQUISTA DE UM SONHO da Prime Vídeo. Aqui é preciso pensar além do personagem. Existe uma diferença enorme na maneira de contar a história. No Brasil as séries de documentários sobre esporte, seguem o padrão americano. Uma coletânea de depoimentos, o roteiro geralmente coloca o personagem como o contador da história e vira um programa de exaltação. Lógico que tem valor. As Séries sobre Pelé e Michael Jordan da Netflix são muito boas, retratam períodos históricos e personagens míticos.


O maior problema das séries exaltação, é que elas podem ser feitas não pelo conteúdo histórico, mas pelo interesse econômico do personagem. Quem assistiu a série Netflix O CAOS PERFEITO sobre Neymar, entende o que estou dizendo. Tudo é um caos. Perfeito fica por conta de quem encomendou a série. Os fatos importantes sobre a trajetória de Neymar até aparecem, mas o tom crítico some. Até a tentativa de justificar ações do personagem parece mais um conto de fadas, não tem compromisso com a história.


Em MARADONA CONQUISTA DE UM SONHO, assim como em BARRA BRAVAS, quem conta a história são atores. Existe um roteiro, pesquisa, um compromisso com a verdade do personagem e não com a exaltação. Os atores Nicolás Goldschmidt, Nazareno Casero e Juan Palomino dão um verdadeiro show de interpretação. Não é um Maradona idealizado que aparece na tela, é um Maradona o mais próximo possível do real, com suas mazelas e conquistas históricas. Nada é escondido, maquiado ou idealizado para agradar ao personagem.


Você pode até alegar que a série é uma versão da história real. O alerta para fatos e diálogos que podem não ser exatamente a realidade, ajudam a ter essa visão. Pode ter uma certeza, a versão é baseada em fatos, não é comprometida pelo interesse do personagem. A exaltação para contar uma história pode fazer bem ao desfile de Carnaval, mas contribui pouco para a verdade do personagem. Falta a crítica, o questionamento e muitas vezes os feitos são mais valorizados do que os fatos.


A conclusão é que precisamos ser mais realistas com nossas histórias. Os argentinos estão certos. Mais vale uma história bem contada, que permite espírito crítico e interpretações, do que uma série de depoimentos sem compromisso com a verdade. Nesse momento de abertura, de informar e entender grandes personagens do nosso tempo, o conto de fadas parece coisa pré-histórica. Nesse ponto, os argentinos estão na frente e precisamos aprender com eles.