• Futebol em Rede

O que é que há, Patrick de Paula?

O que é que há, Patrick de Paula? O menino caiu em desgraça no Palmeiras? O que houve? Ficou deslumbrado com o sucesso? A gente não sabe, ouve dizer muita coisa, mas é melhor não julgar muito. Quem sabe mesmo é ele, seus companheiros e agora a nova Comissão Técnica deve tomar conhecimento da situação do volante.



De titular e elogiadíssimo e até clamado por alguns para a Seleção, pelo menos para ser testado, de repente caiu Vanderlei Luxemburgo e ele saiu do time. Foi no jogo, em Bragança Paulista, na ida das oitavas da Copa do Brasil. Felipe Melo voltou à cabeça de área e parece que de bom gosto. Se forçou ou não para voltar a sua posição original, a gente não sabe, mas ele sabia que um novo treinador estava chegando.



No fim de semana contra o Atlético-MG, Felipe também atuou e muito bem como volante. Fez o mesmo na volta contra o Bragantino. Embalou três grandes atuações. Na minha opinião, ele é o titular da posição. Quando Luxemburgo o puxou para zagueiro até achei que daria certo, mas o tempo mostrou um zagueiro irregular e sem muito reflexo, pensando mais como volante do que como zagueiro. A bola passava demais na porta do gol sem que ele tomasse uma iniciativa. Errei, ele é melhor como volante e também errou, na minha opinião, o então técnico Luxemburgo. Como critica-lo? "Erramos juntos, então"



Felipe Melo sabia que se não voltasse para a cabeça de área talvez perdesse a titularidade no Palmeiras. Até tentou ajudar Luxemburgo na sua ideia, mas deve ter percebido que não era a sua. Já que chegou Abel Ferreira é melhor se colocar à disposição onde rende mais e vai ser titular tranquilamente.



Mas e o menino Patrick de Paula? Olha garoto, é hora de continuar treinando muito e mostrar ao novo treinador que pode ser útil como volante ou como segundo volante, que dizem ser sua posição de origem. Não pode baixar a cabeça. Após o jogo com o Bragantino, o estreante Abel Ferreira cutucou a ferida quando explicou porque ele não entrou no decorrer do jogo e preferiu o veterano Ramirez e o menino Danilo.



Segundo o técnico, a escalação depende dos treinos e esses estavam mais dispostos do que Patrick de Paula. Ao mesmo tempo que é uma explicação também é um aviso tipo: "Se esforce mais e me mostre que pode jogar. Caso contrário o banco será o seu lugar e no futuro nem aí".



Também não adianta jogar fora o talento que Patrick de Paula tem. É hora de ajuda-lo a recuperar a confiança e talvez até a posição no time. Os mais velhos têm que lhe dar a mão e mostrar um caminho seguro. Bola ele tem, agora tem que ter cabeça para fazer o jogo fluir. Ouvir que o ex-grande jogador e atual insosso Ramirez tem se dedicado nos treinos mais que ele é um aviso cruel, mas é também para acordar e decidir o que quer da vida. Vai nessa, Patrick, ACORDA. Boa sorte.