• Futebol em Rede

O "novo velho"projeto do Professor

O "novo velho" projeto do Professor. Palmeiras aposta num técnico que tem história dentro do clube para tentar voltar a vencer. Vanderlei Luxemburgo é um dos três melhores técnicos da história do Palmeiras ao lado de Oswaldo Brandão e Luiz Felipe Scolari. Ironicamente Felipão foi demitido há pouco tempo porque não conseguiu fazer o time reeditar o bom primeiro semestre deste ano. Ele foi campeão brasileiro em 2018. No Palmeiras não se classificar para a final da Libertadores, mais do que conquistar título brasileiro, é imperdoável. Hoje o clube está dividido entre diretoria, parceria e torcida Organizada que manda e ameaça.



No meio desse inferno fica o torcedor comum que sofre com a falta de títulos no ano em que podia conquistar mais. Palmeiras virou um Moedor de treinadores. Ficou mais de 30 jogos sem perder no Brasileiro com Felipão, mas o grande treinador foi demitido por telefone e sem nenhum respeito. Mano caiu sem nunca ter convencido que poderia ser o técnico dos sonhos palmeirenses. Vinha de um péssimo ano no Cruzeiro e não melhorou muito no Verdão.



Agora chega Vanderlei Luxemburgo e de novo o projeto é vencer ou vencer. Isso cria uma responsabilidade e esperança maiores do que o normal. Palmeiras não vence há muito tempo o Paulista, precisa vencer a Copa do Brasil novamente, o Brasileiro é um objetivo e a Libertadores virou obsessão. E depois dela quem sabe a obsessão maior que é um Mundial que o Palmeiras jura que já tem, mas sabe que não tem.



E esses detalhes implicam diretamente no trabalho. O Palmeiras não conquistar títulos não o torna menor. Ele é grande do mesmo jeito, sua história é brilhante e mais dias, menos dias, volta a vencer. Aliás, a situação não é de terra arrasada. Foi campeão da Copa do Brasil, em 2015; Brasileiro 2016 e 2018. É muita coisa, mas isso parece não bastar para o Palmeiras. A parceira Crefisa anunciou no começo do ano que esperava ganhar tudo. É justo o torcedor esperar, mas quando um parceiro anuncia aos quatro cantos cresce a pressão sobre Comissão Técnica e elenco. É algo desnecessário, para não dizer não muito inteligente.



Luxemburgo é um ótimo treinador quando é apenas treinador de campo. Eu sempre digo que quando se rivalizava com o São Paulo na década de 90, na hora do jogo era melhor que Telê Santana. Via tudo muito rápido e mudava também para melhor com a partida em movimento. Telê genial montava os times e até as substituições para o jogo nos treinos. Na hora da partida interferia menos. Era seu estilo, seu jeito e dava certo também porque era excelente.



A missão de Luxa é difícil. Vai ter que começar bem para chegar até o fim do ano. O contrato é de 2 anos, mas isso é o de menos em se tratando de Palmeiras e na verdade de qualquer clube do futebol brasileiro. Se não for bem no Paulista, e ir bem é ganhar, já começarão as cornetas. Mesmo que se justifique que é um time que está sendo reformado a torcida não aceitará de bom grado. Sem falar nos detratores de Plantão que estão ávidos pelo insucesso do técnico para gritar: "Eu avisei, eu tinha razão, ele está superado".



Aos 67 anos de idade, Vanderlei está na faixa etária de Jorge Jesus, hoje decantado em prosa e versos, e Sampaoli, que tem 59. Não há juventude e nem inovação nisso. Mas a vida prova que o conhecimento deve ser valorizado e não jogado fora como o Brasil gosta de fazer em vários segmentos. Além disso, não se pode parar e é preciso agregar novos valores ao que já existem.



Se Vanderlei mostrou coisas boas na armação do time do Vasco, que tinha um elenco bem ruinzinho, e isso o tornou mais humilde, já seria um avanço. Conhecimento ele tem, mas vai conviver com uma situação diferente num time que tem mais dinheiro para investir e jogadores mal acostumados com altos salários e futebol não tão eficiente. A renovação do elenco é premente. Já são praticamente 3 anos com os mesmos jogadores. Palmeiras fala em usar bem a base, coisa que nunca fez na sua história. Talvez seja uma saída, talvez não. Será que há mesmo tantos talentos por lá?



Embora o contrato de Vanderlei seja de 2 anos, o seu prazo de validade vence bem antes. Se não mostrar serviço no primeiro semestre, será defenestrado. O Palmeiras aceita pressão e não espera por ninguém. O Moedor de técnicos está pronto e entregue na mão de quem não entende muito de administração, organização e pouco de futebol. Só valem os resultados. Se eles não vierem, o "novo velho" projeto do professor já nasce morto. Mas acredito que Vanderlei já saiba disso, é vivido no futebol e conhece bem os bastidores alvi-verdes. Está vacinado. Portanto, mãos à obra enquanto é tempo.