top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

O HUMOR DO FUTEBOL:“A RAPOSA E O GALO”


Olá amigos do Futebol em Rede!


Vou contar para vocês uns fatos curiosos que envolvem o futebol e entre eles Palmeiras e Cruzeiro, que nasceram SOCIETÁ PALESTRA ITÁLIA.


Aqui em São Paulo, em 1914, italianos que vieram para o Brasil a partir da segunda metade do século 18, se entusiasmaram com o crescimento do futebol no nosso País, fundaram o Palestra Itália, um clube social e esportivo. O sucesso palestrino aqui, entusiasmou os italianos e descendentes em Belo Horizonte com o mesmo nome criaram o Palestra Itália mineiro.


E, como em todo o mundo, criaram a sua charge, a Raposa.


O criador da Raposa como mascote foi o famoso cartunista Mineiro Fernando Pieruccetti, o conhecido Mangabeira. E a escolha da raposa inspirada no presidente do clube Mário Grosso, um homem esperto e astuto na defesa dos interesses do seu clube.


Vale lembrar que a ala renovadora do Palestra Mineiro quis sempre a troca de nome do clube.


Renovadora Football Club foi nome escolhido e rejeitado. Virou chacota rapidamente. Foi então que o nome Cruzeiro Esporte Clube escolhido e inspirado no Cruzeiro do Sul, que brilha nos céus brasileiros todas as noites com as suas 5 estrelas num formato de cruz abençoando o nosso solo todas as noites.


A cor azul e branco imediatamente aprovada nas suas bandeiras e uniformes.


E, o mesmo Mangabeira, criador do Galo como mascote do Atlético Mineiro, criou a Raposa para o Cruzeiro.


Contam historiadores que os cruzeirenses não tinham gostado muito da Raposa, que é o da espécie animal, portanto para o macho e a fêmea da espécie.


Aí a grande sacada do criador e a sua explicação: Raposa é um animal caçador e comedor de galináceos. O “Galo”, macho da espécie, é charge, mascote de qual clube? ATLÉTICO MINEIRO!!!

Reação imediata, claro: aplausos, muitos risos e aprovação com voto de louvor.


Esse é o lado maravilhoso do futebol, que infelizmente, muitos torcedores e torcidas transformam em guerra, brigas e até mortes.


Um abraço.

Lucas Neto



Comments


bottom of page