• Futebol em Rede

Não é só o Corinthians que deve pagar Estádio


O assunto já é batido e volta e meia volta também às manchetes. O estádio que o Corinthians ganhou de presente do Lula, o Estádio que o Corinthians tem que pagar, o Estádio que o Corinthians não pagou, o Estádio que foi construído com o dinheiro público e assim por diante. Agora o Corinthians sentou com o credor, a Caixa Econômica Federal, e rolou a dívida de 611 milhões de reais até 2041. Foi motivo de gozações de torcidas contrárias e também dos contribuintes mal informados.



Acho justo o Corinthians pagar pelo Estádio, em Itaquera. Mas acho justo também ajustar a forma de pagamento. Foi uma loucura o acerto inicial feito pelo então presidente Andrés Sanchez embalado pelo então presidente Lula e a corrupta Odebretch. Ele dizia que pagaria o Estádio em 5 anos. Penhorou as rendas como mandante para um fundo pagador do estádio.



Achava que iria sobreviver com a cota da Televisão, que realmente é alta, com o sócio-torcedor, que já não valia porque só serve para mando dos seus jogos, com patrocinadores, com a venda do nome do estádio e negociações envolvendo jogadores. Estava na cara que não daria certo. As coisas mudaram, o time não ganhou sempre e para fechar veio a Pandemia com estádios sem público e antes disso uma fase sem jogo nenhum.



Já tinha que ter rolado essa dívida há muito tempo por mais 20 ou 30 anos. Para uma pessoa física é muito tempo, mas para uma entidade centenária como um clube de futebol é um átimo. O maior exemplo é o Palmeiras, que fez um contrato privado por um bom período e logo será dono de 100% do estádio e está ganhando dinheiro também. Foi o melhor negócio quanto a estádios aqui no Brasil.



A verdade é que o Corinthians não ganhou um Estádio. Terá que pagar por ele e já pagou uma boa parte. Só a nova presidente da Caixa não sabe disso. Talvez porque não seja do ramo, seja apenas um cabide político. Corinthians teve algumas facilidades porque a Fifa, que é a maior "construtora" de estádios do Mundo, queria um estádio novo, em São Paulo. O Corinthians já iria construir o seu, em Itaquera, e uniu o útil ao agradável. Tanto é que para a Copa foram instaladas arquibancadas móveis para atingir o número de espectadores que a Fifa queria.



A Copa deixou um déficit de 32 bilhões de reais para o Brasil. Só a Fifa, a Rede Globo e as Empreiteiras ganharam dinheiro com a Copa. O Tribunal de Contas da União chegou à conclusão que se gastou 25 bilhões e meio para o evento em dinheiro da época. Só os estádios levaram 8 bilhões desse montante. Há vários elefantes brancos por aí por causa da Copa, que era para ser realizada em 10 estádios, mas a CBF por questões de política enfiou mais 2 na conta.



Dos 12 estádios só tem 3 tem dono. Itaquera, Beira Rio e Arena da Baixada. O Athlético Paranaense foi obrigado a reconstruir um estádio novinho em folha para receber apenas 4 jogos da Copa ao custo de 391 milhões de reais. Desse total 131 milhões vieram do BNDES. O estádio do Internacional custou 330 milhões sendo 275 milhões do BNDES. O estádio do Corinthians custou no total 1 bilhão e 80 milhões com 400 milhões do BNDES. Esses estádios também tiveram aporte estadual e municipal.



Agora vamos para os outros 9 estádios que não tem dono, mas tem mando de jogo. Maracanã custou 1 bilhão e 50 milhões de reais sendo 400 milhões do BNDES, mais aportes do governo do estado e do município. Não me consta que Flamengo e Fluminense, que mandam seus jogos por lá, tenham ajudado nessa conta. Se beneficiaram de um estádio novo e não pagaram nada. Deviam pagar ou não? O mesmo se aplica ao Engenhão, hoje Nilton Santos, que foi cedido para o Botafogo, que jamais gastou um centavo na sua construção. Mas esse é dos Jogos Panamericanos.



Vamos para Belo Horizonte. Lá o Mineirão custou 695 milhões, só do BNDES foram 400 milhões e mais dinheiro do governo estadual e municipal. Não me consta que Cruzeiro e Atlético, que usam o estádio como se fosse seu, tenham ajudado financeiramente na reconstrução. Deviam pagar?



Falar de Brasília, do Mané Garrincha, então, causa asco. Ninguém o utiliza a não ser em jogos levados por alguns times, leia-se empresários espertos, e tem também festa de casamento e encontro religiosos. Custou 1 bilhão e 403 milhões, o mais caro de todos, num local onde não há grandes times, nem grande torcida e onde o jogo é outro. Dizem que na Capital Federal todos gostam de bola. Nem tanto de futebol.



A Arena Pantanal custou 583 milhões de reais, sendo 337 milhões do BNDES. Acho que nenhum clube ajudou nessa conta, não é? O Cuiabá, que hoje é destaque da cidade, ainda estava engatinhando quando resolveram dar de presente uma Arena para a região Pantaneira. Foi dinheiro público a rodo mais uma vez. No Recife, onde já tinham 3 estádios, todos precisando de reforma, nasceu a Arena Pernambuco ao custo de 532 milhões de reais com 400 milhões do BNDES. Acho que o Sport, que usa a Arena de quando em vez, não entrou nessa conta.



A Fonte Nova, em Salvador, gastou 684 milhões de reais para ser reconstruída para a Copa. Foram 323 milhões do BNDES. As obras de mobilidade urbana prometidas, como também em outras regiões, jamais foram concluídas e o E.C. Bahia, que utiliza o Estádio, também não pagou nada dessa conta. Devia pagar?



O Castelão, em Fortaleza, foi reconstruído ao custo de 518 milhões de reais com aporte de 351 milhões do BNDES. Lá usam o estádio pelo menos três vezes por semana o Ceará e o Fortaleza, que também não participaram dessa conta. Deviam ou não? A Arena das Dunas, em Natal, também um local que não tem um Campeonato dos mais recheados de torcida, custou 400 milhões de reais. O BNDES entrou com quase todo o dinheiro. Foram cerca de 396 milhões de reais.



E tem a Arena de Manaus ao custo de 600 milhões de reais num local onde não há público para esse tipo de estádio. A média do Campeonato local é de 2 mil espectadores. O BNDES despejou na conta 400 milhões. Esse dinheiro todo daria para fazer tanta coisa pelo povo manauara, não é? Como por exemplo comprar respiradores durante a Pandemia. Ah, mas ninguém sabia que vinha a Pandemia. Verdade, mas havia outras coisas e também em outras regiões que poderiam ter se beneficiado mais com todo esse dinheiro gasto nos estádios.



Como se vê, não é só o Corinthians que foi beneficiado, mas é o único que é cobrado todos os dias. Há muitos que devem os Estádios da Copa e que deviam ser cobrados de uma forma ou de outra. É o que eu penso. Aliás, a maioria desses números se referem aos aportes dos BNDES, em tese dinheiro de todos os brasileiros, mas muitos desses estádios como já foi dito, receberam também verba de governo estadual e municipal. Ou seja,é dinheiro público do mesmo jeito. Cobrem todos eles. Entenderam?