• Futebol em Rede

Morre o artilheiro do jogo do gato "analfabeto"

Morre o artilheiro do jogo do gato "analfabeto". Em 1988 eu estava na Record/Gazeta com aquela grande equipe do Osmar Santos e fui escalado com o Rogério Achiles para transmitir um jogo à tarde, no Canindé, entre Portuguesa de Desportos e XV de Piracicaba. Lembro do grande Edson Scatamachia dizendo: "Vou escalar dois piracicabanos para ver o XV de perto" e lá fomos nós.



O jogo começou às 5 da tarde e já no primeiro tempo Oriel, um centro-avante que não tinha biotipo de jogador, mas fazia muitos gols, abriu o marcador. Veio o intervalo e à noite caindo, em São Paulo, eis que dá um apagão justo na hora que acenderam os refletores. E agora? Vai ter jogo, não vai ter, o que vai acontecer?



Daí veio a informação. Um gato entrou na Casa de Força, ou coisa que o valha, e provocou uma explosão. Conclusão: Jogo suspenso com 45 minutos faltando para jogar. Depois a gloriosa Federação Paulista de Futebol absolveu o gato e a Lusa e o jogo começou de novo em outro dia e a Portuguesa venceu por 1 x 0, gol de Bentinho. Talvez por isso que no XV muita gente não goste de gato miando por perto.



No último domingo, dia 17 de maio, morreu o centro-avante Oriel José Bernardes Marcolino, o Oriel, que fez o gol do jogo do Gato, que acabou anulado. Tinha apenas 60 anos de idade. Quem me mandou a informação foi o Vitor Prates, companheiro da Rádio Difusora, de Piracicaba, no seu "Blog do Vitor Prates"



Naquele dia tivemos muito trabalho. Quando era um jogo normal a gente encerrava logo após os vestiários e ia para casa. Mas quando algo fora do comum acontecia os repórteres ficavam buscando informações sem hora para sair. A profissão sempre foi assim.



Uma das coisas que mais me lembro é que na saída, do Canindé, naquele portão da Rua Azurita, que o porteiro Barrigana não deixava ninguém entrar a pé, mas podia sair a pé, fui pegar o carro e encontrei dois torcedores lusos tentando entender o ocorrido. Um questionou: "Foi um gato, é?" e outro respondeu: "Foi, o bichaninho entrou na casa de força e morreu esturricadinho. Acabou com a energia do estádio". A replica foi "genial": "Mas e a placa: Perigo, Alta Tensão?"



Aí parei. Gato analfabeto é demais. Não leu a placa.