• Futebol em Rede

Mil vezes Pelé

Mil vezes Pelé. Há 50 anos entrou para a história o pênalti batido por Pelé que completou mil gols na carreira do maior jogador da história do futebol. Andrada bem que tentou impedir, mas não conseguiu. Assim como Zaluar, que tomou o primeiro gol de Pelé, o argentino também entrou para a história. Na hora ficou nervoso, mas na sequência da sua vida se transformou em uma bonita passagem que ele mesmo contava com detalhes e admiração pelo eterno Camisa 10 do Santos e da Seleção Brasileira.



Depois desse dia 19 de novembro de 1969, Pelé continuou marcando e chegou a 1282 gols, média de 0,94 por jogo em toda a carreira. De vez em quando aparece um estatístico, ou um dito estudioso, sempre europeu, querendo desqualificar os gols de Pelé. Via de regra querem descontar os gols feitos em amistosos nas mais variadas excursões do Santos mundo afora e até mesmo no Campeonato Paulista.



Eu já penso assim. Se teve jogo com súmula, arbitragem presente, torcida pagando ingresso e dois times em campo, tem que entrar na estatística normalmente. Ah, mas Pelé tem até gols no Exército para entrar na conta. Verdade, são quatro gols pelo que sei. Ok, tira os quatro então, sobram ainda 1278. Está bom assim ou quer mais?



Tem muita gente que gosta de desqualificar seus feitos, mas a grande maioria o aplaude de pé. Alguns dizem: "Vocês ficam dizendo que ele é Rei, que ele é o maior, que foi o atleta do Século". Talvez por má informação ou falta de vontade, esses não saibam que quem coroou Pele foram os Europeus e quem lhe deu o titulo de Atleta do Século foram os franceses, que também o tornaram Rei do Futebol. Nós apenas concordamos. Até porque brasileiro se diz muito bonzinho, mas não gosta de elogiar ninguém. Muito pelo contrário.



Ah, mas naquela época era mais fácil. Não fale do que você não sabe. Entre 58 a 82, grande parte dos maiores jogadores do Mundo jogava no Brasil e Pelé enfrentava esses caras todos os fins de semana e ganhava deles. E ganhava também de argentinos, alemães, ingleses, franceses, italianos e etc. Se a Camisa 10 ganhou uma aura especial foi por causa dele. Antes de Pelé o número cobiçado era o 5. Ele só dobrou a conta por conta do seu talento.



Quando o Santos ganhou o Mundial dentro do Estádio da Luz, em Lisboa, Pelé fez 3 gols na final naquele que era na época o melhor time da Europa e que seria base da ótima Seleção Portuguesa de Eusébio e Oto Glória, em 1966, na Inglaterra. Não era contra um adversário qualquer. Foi 5 x 2 para o Santos e os europeus que o viram de perto disseram que foi a maior atuação individual de um atleta de futebol. Não é pouco, certo? Até hoje não ouvi frase parecida sobre outro atleta do futebol e olhe que tem gente boa na história.



Seus títulos e sua carreira falam por si só e chego à conclusão que esse tal de Pelé, nascido Edson Arantes do Nascimento, deve ter jogado muito mesmo. Pois todos os dias alguém fala dele, e fala bem, enquanto que muitos dos seus contemporâneos, que também foram bons jogadores, não são tão lembrados assim. Ah, também tem outra. Qualquer jogador de boa qualidade que aparece logo é comparado com ele ou tenta superar ou pelo menos chegar aos seus números. Por que será? É, deve ter jogado muito mesmo.



Abraços, Pelé. Mais mil vezes para você. O futebol agradece.