• Futebol em Rede

MESTRE CUCA PREPAROU UM “GALO” CAMPEÃO


Olá amigos

.

O Clube Atlético Mineiro, em 1971, foi o primeiro campeão brasileiro ao conquistar o título nacional na nova formatação do então sonhado Campeonato Brasileiro. Conquista histórica e inesquecível do clube mineiro, que somente teve bis 50 anos depois, no dia 02/12/2021, em espetacular virada contra o Bahia, em Salvador, depois de estar perdendo por 2 a 0 até a metade do 2° tempo.


Foi uma virada histórica sensacional contra um Bahia ameaçado de rebaixamento, que jogava em casa e que conseguiu a vantagem do 2 a 0 enlouquecendo os seus torcedores.


No estádio, ninguém acreditava numa reviravolta no placar.

Os baianos jogavam bem e procurando atacar em busca de mais gols.


Mas os mineiros tinham no banco o mestre Cuca, que se “esgoelava” gritando, orientando o seu time e pedindo, exigindo: "VAMOS VIRAR"! Fez alterações na sua equipe, certas como sempre, e depois delas as coisas começaram a melhorar.


Um pênalti claro foi assinalado pelo árbitro e cobrado pelo Hulk, artilheiro e melhor jogador do Brasileirão. Bola num canto, goleio no outro, Hulk buscou a bola no fundo do gol, levou-a para o meio de campo e gritando: “VAMOS VIRAR, VAMOS GANHAR”. No banco mineiro, os jogadores faziam o mesmo coro.


Na área técnica, roendo as unhas como sempre, Cuca incentivava o ataque e com o mesmo grito: “VAMOS VIRAR E GANHAR”.


Cuquinha, irmão, escudeiro e auxiliar técnico, era outro a cantar jogadas e incentivar a virada: “VAMOS VIRAR, VAMOS GANHAR, VAI DAR TEMPO”.


No ataque, os mineiros não perdiam tempo. Jogo vertical e pressão em busca do gol de empate. E ele aconteceu em jogada individual de Keno, que entrou driblando pela meia esquerda, limpou e bateu na medida justa. Era o empate. Empate já estava de bom tamanho, mas ainda insuficiente para ser campeão com antecipação.


A torcida baiana acusou o golpe. Incentivava o seu time, mas já mostrava o medo de que tomar o terceiro gol poderia acontecer.


Minutos depois, Keno recebe e domina a bola outra vez, mesma coisa da jogada anterior, mas do outro lado, a meia direita. Limpa o lance e bate para gol. Bola no canto e no fundo da rede. Era a VIRADA, a loucura, a vitória suada, cavada, acreditada. MERECIDA!!!


Aquilo que parecia impossível acontecera e com todo o merecimento.


As jogadas se sucediam com o time do Bahia procurando o empate e os do Atlético se defendendo, lutando pela bola, continuando a atacar. Foram emocionantes as últimas jogadas, as disputas em campo.


Fim de jogo e o ATLÉTICO MINEIRO CONSEGUE O SEU “BI”, com duas rodadas de antecipação.


Mérito total de Cuca, sua Comissão Técnica, atletas, Departamento Médico e funcionários do GALO.


O Atlético mereceu essa conquista. E O MESTRE CUCA MAIS QUE NINGUÉM.


Um abraço.

Lucas Neto