top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

Mano e a felicidade por derrotar Abel


Mano Meneses passou a semana convocando a torcida do Inter para encher o Beira Rio. Ganhar do Palmeiras era uma questão de honra.

Conseguiu.

Foi para a entrevista coletiva com um sorriso no rosto.

Os 3 a 0 aplicados no campeão brasileiro de 2022 inflaram o ego do treinador.

Mesmo que para o Palmeiras de Abel Ferreira o jogo tivesse pouca importância.

Abel, competitivo que é, sonhava em sair do campeonato sem perder fora de casa.

Só isso.

O importante, na visão do técnico do Inter, como o seu comportamento durante a semana mostrou, não era derrotar o campeão brasileiro da temporada.

E, sim, ganhar de Abel Ferreira.

Abel Ferreira, e não só ele, mas todos os treinadores estrangeiros que trabalham no futebol brasileiro, passaram a ser inimigos na avaliação de Mano.

Quando assumiu o comando do Inter, Mano fez críticas ao trabalho de seu antecessor no clube gaúcho, o espanhol Miguel Angel Ramirez.

Quando enfrentou o Flamengo, na estreia de Dorival Júnior, foi flagrado pelas câmeras e áudios dizendo ao seu colega brasileiro que em breve ele colocaria o Flamengo no rumo certo.

“Eu também peguei o Inter bagunçado. Você vai conseguir arrumar o Flamengo”, disse.

Mano sabia que as suas palavras estavam sendo gravadas pelas emissoras de rádio e de televisão.

E que certamente repercutiriam.

Mas o treinador gaúcho não esconde de ninguém que é contra a invasão de treinadores estrangeiros ao nosso país.

E Abel Ferreira é o seu alvo principal.

Claro, por Abel ganhar quase tudo que disputa.

Dói em mano o sucesso que o treinador português do Palmeiras faz no Brasil.

É crítico voraz do comportamento de Abel Ferreira à beira do gramado. Diz sempre que Abel não deixa a arbitragem trabalhar em paz.

Como se ele tivesse comportamento diferente.

O comportamento de Mano Menezes com os árbitros não é nada exemplar.

Talvez ele pense que perturbar a arbitragem com reclamações muitas vezes descabidas e desproporcionais seja privilégio dos “professores” brasileiros.

O fato é que Mano Menezes ficou feliz por ter derrotado o time de Abel Ferreira.

Terminou o ano com a sensação de dever cumprido.

Mesmo que o adversário derrotado pelo time dele no final de semana tenha acumulado títulos na temporada e feito a melhor campanha dos brasileirões das últimas décadas.

Mano não se importa com isso.

Explode de contentamento por ter derrotado o time de seu maior desafeto.

Claro que o treinador português queria manter a invencibilidade fora de casa.

Mas seus jogadores estavam mais preocupados com as férias.

Mas Mano conseguiu o que queria.

Conseguir se sentir maior do que o oponente português.


Wladimir Miranda cobriu duas copas do mundo (90 e 98). Trabalhou nos jornais Gazeta Esportiva, Diário Popular, Jornal da Tarde, Diário do Comércio e também na Agência Estado. Iniciou no jornalismo na Rádio Gazeta. Trabalhou também na TVS, atual SBT. Escreveu dois livros,de grande aceitação no mercado editorial: O artilheiro indomável, as incríveis histórias de Serginho Chulapa e Esconderijos do futebol.

Comments


bottom of page