• Futebol em Rede

Imposição e irresponsabilidade


O futebol carioca atropela o senso de responsabilidade ao insistir com a volta do campeonato de forma atropelada e sem consenso. O presidente da Federação Rubens Lopes ( Foto – Netflu.com ) insiste em acelerar o processo, de mãos dadas com o Flamengo, e joga a cautela no lixo. Na última semana fez reunião sem contar com Botafogo e Fluminense, que são contra a retomada, e até anunciou datas sem aval das autoridades sanitárias.


Rubens Lopes foi presidente do Bangu antes de assumir cargo na Federação Carioca, onde durante anos foi vice de Eduardo Viana, o Caixa D’Água. Acreditem, é médico. Não sei a especialidade, mas de números parece não entender nada. O Rio de Janeiro aponta a maior taxa de letalidade do vírus no país, 9,55 %. Mesmo assim, o dirigente insiste na retomada do campeonato e ironiza adversários.


Após reunião do conselho arbitral, ficou estabelecida a volta do futebol já em 20 de junho. Existem clubes que sequer concluíram os testes em jogadores. Clubes que recém voltaram aos treinos e outros que sequer reiniciaram os trabalhos. Flamengo e Bangu, iniciariam a competição antes dos demais, dia 18 de junho. Irritados, Botafogo e Fluminense, ameaçam ir à Justiça. No show de aberrações chama a atenção dois pontos. O Vasco teve 16 jogadores diagnosticados com o vírus e quer jogar. O Flamengo voltou a treinar sem aval das autoridades e comanda nos bastidores a volta da competição.


Fosse a Federação Carioca uma escola de samba, a nota de harmonia seria zero. Diz o ditado popular: “A pressa é inimiga da perfeição”, mas esse não é o tema do enredo do desfile do Carioca. Parece que o tema escolhido para o enredo foi outro ditado popular “Os fins justificam os meios”. Flamengo e Vasco estiveram em reunião com Bolsonaro em Brasília defendendo a bandeira da volta do futebol. Viraram alegorias e adereços de uma irresponsabilidade. O Flamengo acabou de sair de uma tragédia com seus meninos no CT por não dar a atenção devida aos critérios de segurança. Tomara o desfile não termine em tragédia.