• Futebol em Rede

FÁBRICA DE MONSTROS


Respeitável público!! O show de horrores para definir o Manda-Chuva da Fábrica de Monstros, já começou. A CBF, onde quatro entre os últimos mandatários, foram denunciados por má conduta, entre elas conspiração, recebimento de propinas e assédio, está com o cargo em aberto. Nota importante, em ano de Copa do Mundo, com amplas possibilidades de adquirir “simpatias” em troca de “bondades” para dirigentes de Federações e Clubes. Mais importante ainda, a escolha do Manda-Chuva será decidida entre aqueles que recebem benefícios da própria CBF. A tradicional linha de montagem da Fábrica de Monstros está em andamento.


Vou explicar como o processo seletivo funciona. O presidente interino da CBF, Ednaldo Rodrigues, ex-presidente da Federação Baiana de Futebol, vai marcar uma Assembleia onde Federações e clubes indicam o Manda-Chuva. Cada voto terá um peso. Federações que recebem uma espécie de salário da entidade, inclusive o presidente interino já foi “beneficiado” com os agrados em outras gestões, terão voto peso 3 (três). As 27 Federações nem precisam dos clubes para indicar o Manda-Chuva. Os votos das Federações somados, 81, ultrapassa os votos dos clubes da série A (peso 2) e série B (peso 1). A conta para manter o esquema de benefícios cada vez mais atraente para as Federações é de 81 X 60 dos clubes somados.


Só a divisão de votos já seria uma imoralidade. O que muita gente não percebe é que, quem assina o cheque dos “benefícios financeiros” para as Federações é também o candidato, dizem único, para o cargo de Manda-Chuva. Em qualquer local do planeta onde um candidato paga benefícios para parte do eleitorado que decide uma “indicação”, essa eleição seria uma monstruosidade. É a gestação de um novo monstro no poder. O novo Manda-Chuva fica com o talão de cheque nas mãos e ainda controla a arrecadação de milhões de dólares de patrocínio da entidade. Não é por acaso que eles quase se matam pelo poder.


O candidato Ednaldo Rodrigues, não surgiu do espaço. Ele foi Presidente da Federação Baiana de Futebol, por um tempão. Era aliado de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, banido do esporte após escândalos de corrupção. Ele substitui Carlos Caboclo, afastado da CBF por escândalo de assédio sexual, que chegou ao cargo como aliado de Marco Polo Del Nero, indicado para substituir Ricardo Teixeira no Comitê da FIFA e posteriormente presidente da CBF na vaga de Jose Maria Marin.


Jose Maria Marin foi condenado e preso por corrupção. Marco Polo Del Nero, está impedido de deixar o país por suspeitas de corrupção. Ricardo Teixeira, afastado do esporte por corrupção. Carlos Caboclo, afastado do cargo por escândalo de assédio sexual. Uma verdadeira Fábrica de Monstros. O método de “escolha” do Manda-Chuva, com pagamento de benefícios para os eleitores que decidem a indicação, parece ficção. Uma espécie de “bondade explicita” para a preservação da espécie.