top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

Endrick na reserva é uma aberração



Bento, Beraldo, Fabrício Bruno, Wendell, João Gomes, Pablo Maia e Savinho estrearam com a verde e amarela, a pentacampeã do mundo, cantada em verso e prosa por Mário Jorge Lobo Zagallo, morto recentemente e homenageado pela CBF com o ‘Zagallo eterno’ exibido no ombro da camisa.

O Brasil, agora comandado por Dorival Jr, se não encantou, fez um jogo alentador para o torcedor brasileiro, já desacostumado a ver a sua seleção vencer.

Endrick, já negociado com o Real Madrid, mostrou, mais uma vez, que se não pode ficar de fora da equipe do técnico Abel Ferreira, também não pode deixar de ser escalado por Dorival Jr e por quem mais se aventurar a ser o treinador do clube ou da seleção em que ele esteja.

Endrick tem de ser titular.

Isso é incontestável.

Dorival Jr optou por escalar o ataque com Raphinha, Rodrygo e Vini Jr. O problema é que Rodrygo tinha, também, além de marcar presença na área, voltar para armar jogadas, pois que Lucas Paquetá entrou em campo mais preocupado com a marcação do que em criar.

Se bem que Paquetá, mesmo com excesso de funções, conseguiu deixar Vini Jr na cara do gol no primeiro tempo, em lance em que o astro do Real Madrid chutou fraco e perdeu grande chance para marcar.

Vale lembrar que a Inglaterra não teve vários de seus titulares, o atacante Harry Kane, astro da equipe, entre eles.

Mas Neymar, de quem o Brasil foi dependente nos últimos anos, lesionado, também não jogou.

Marquinhos, zagueiro, também não.

E mais ausências, que nem merecem ser lembrados.

Richarlyson, atacante, é uma delas.

A Seleção Brasileira fez um jogo digno.

Capaz de derrotar os ingleses no templo sagrado de Wembley.

Gramado de Wembley que, é bom que se lembre aqui, nunca foi pisado pelo Rei Pelé.

O maior de todos os tempos jamais jogou em Wembley.

Azar do Wembley.

O gol do Brasil foi marcado pelo garoto Endrick, aos 34 minutos do segundo tempo.

Ele saiu do banco de reservas para marcar o gol da verde e amarela.

Em menos de quinze minutos no gramado, Endrick fez o seu gol e ainda perdeu outro, no último lance da partida.

Mas o gol que marcou foi de raro oportunismo.

Concluiu para as redes após grande jogada de Vini Jr.

Endrick tem de ser titular.

Na Seleção Brasileira e no seu time, o Palmeiras, e no Real Madrid, seu próximo clube, em breve.

É bom que Dorival Jr se conscientize disso.


Wladimir Miranda cobriu duas copas do mundo (90 e 98). Trabalhou nos jornais Gazeta Esportiva, Diário Popular, Jornal da Tarde, Diário do Comércio e também na Agência Estado. Iniciou no jornalismo na Rádio Gazeta. Trabalhou também na TVS, atual SBT. Escreveu dois livros,de grande aceitação no mercado editorial: O artilheiro indomável, as incríveis histórias de Serginho Chulapa e Esconderijos do futebol. 

Comments


bottom of page