• Futebol em Rede

DOLOROSA INJUSTIÇA


Eleito o melhor treinador do Campeonato Brasileiro 2020, Abel Braga ( Foto - @SCInternacional), ex-técnico do vice-campeão Internacional, está desempregado. Ídolo colorado, campeão da Libertadores e do Mundo em 2006, Abel deu uma lição ao futebol brasileiro num momento, onde ser estrangeiro virou solução para comandar grandes clubes nacionais. Isso aos 68 anos e com fama de ultrapassado.


Seria justo se permanecesse no comando do Internacional. Abel Braga acumula marcas, além de ser o comandante nos maiores títulos da história do clube. Nessa sua curta passagem, chegou ao recorde de jogos como treinador do Inter, 340 partidas. Também marcou seu nome como recordista de vitorias consecutivas no Brasileiro, 9 jogos. Isso depois de superar a desconfiança e a Covid que o afastou por duas semanas do trabalho.


Lembrem que Abel Braga pegou o Internacional de Coudet, líder, mas cheio de problemas. Resgatou Rodrigo Dourado, uma esperança lançada pelo clube. Lançou Praxedes no time titular após destaque e esquecimento na Copa São Paulo. Perdeu o líder e ídolo D’Alessandro. Ele fez muito mais do que os números apontam, 60 % de aproveitamento e um vice-campeonato brasileiro que não acontecia há uma década. O último foi contra o mesmo Flamengo em 2009 e com Abel no banco colorado.


Abel foi o autor da goleada história contra o São Paulo no Morumbi, 5 a 1, que será dolorosamente lembrado pelo time paulista por muito tempo. Foi ele também que apagou o incêndio dos Grenais. Venceu o rival no Beira Rio, de virada, nos minutos finais e interrompeu uma série que manchou Coudet, mais do que a decepção do argentino fazer malas e trocar o clube pelo Celta de Vigo.


O histórico de Abel Braga, só no Internacional, tem mais conquistas do que a carreira inteira do espanhol, Miguel Angel Ramirez, escolhido para dirigir o clube nos próximos dois anos. É impossível comparar Abel com Ramirez em qualquer quesito. A “escolha” foi, no mínimo, afoita. Por tudo que Abel Braga fez em pouco tempo, merecia continuar. Ver o treinador, eleito o melhor da competição e sem emprego é incoerente. Na verdade, uma dolorosa injustiça.