• Futebol em Rede

Deixem de hipocrisia. Parabéns, Deyverson

Deyverson é o jogador de antes do VAR. É provocador, parece fazer amizade fácil no elenco, todos demonstram gostar dele e todos acham que é o menino "maluquinho". Ele é assim. Lembra Sérginho, Dario e outros grandes provocadores do futebol brasileiro. Para muitos hipócritas isso é mau exemplo para seus filhos. Quem tem que dar bons exemplos para os filhos são os pais e não jogador de futebol. Nesse mundo chato de hoje muitos gostam de responsabilizar outros por seus deveres.



Quando eu estava na Fox, numa Tarde Redonda, com os ótimos Abel Neto e Lívia Nepomuceno, alguém estava discutindo o tema Deyverson e suas maluquices e provocações. Eu perguntei: "Vocês preferem o Deyverson com suas maluquices espontâneas ou o Lucas Lima bonzinho e dormindo? Quem atrapalha mais o time?". Responda você também. Não é porque o cara anda com terço, erguendo as mãos para o céu a cada gol, fazendo novena, fazendo o sinal da cruz quando entra em campo, que só faça o bem. Tem muito "diabinho" escondido por aí se fingindo de gente do bem.



Na verdade, Deyverson é mais um sobrevivente do futebol à sua maneira. Chega a ser extravagante quando tenta cavar falta num toque do árbitro nas suas costas e vira meme internacional, mas é também o jogador que percebe a falha do adversário e faz o gol da vitória do time num torneio tão importante como a Libertadores. Agora só falta dizer que roubar a bola do Andreas Pereira e fazer o gol é maldade também. Fico mais com a perspicácia de quem está atento ao jogo e que humildemente chora após o gol sem perceber que acaba de entrar para a história de um dos maiores clubes do Mundo. É gol de título, maluquinho.



Isso não torna Deyverson melhor jogador do que é. Ele é um bom reserva. Mas no mesmo Palmeiras já foi titular e ajudou demais no título brasileiro de 2018. Não esqueço da palavra do Felipão, que foi um zagueiro rústico: "Eu não gostaria de marcar o Deyverson. Ele enche o saco, ele é chato". Para o adversário, é claro. É o melhor protótipo do atacante brasileiro? Claro, que não, mas é funcional e ajuda em alguns momentos, como pode atrapalhar em outros. Mas qual ser humano não é assim? Qual craque não é assim?



Às vezes ele resolve o que o craque não resolve. Assim é igual Breno Lopes na Libertadores anterior. Nenhum dos dois entra para a história como os maiores jogadores do Palmeiras, mas serão lembrados pelo torcedor e pelos próprios companheiros com certeza. Futebol é isso. Dá chance para o craque e para quem não é craque. É um esporte em que um herói pode sair do banco e dar um título a um time recheado de jogadores melhores que ele.



Não peçam a Deyverson que seja exemplo de bons modos, mas não o crucifiquem por sua "malandragem" por vezes até infantil. Ele funciona assim. Pelo que sei, não o conheço pessoalmente, é um cara legal, do bem, que é bom de vestiário e que não reclama de nada. Quando entra só quer jogar e jogar do seu jeito. Provocador, brincalhão e ate irresponsável em alguns momentos, mas quando funciona é de uma alegria só. Não sou a favor da bagunça, mas um pouquinho de "anarquia" nesse sisudo futebol até que cai bem. Faz parte. É por isso que se chama jogo. Quem não gostar que vá jogar dominó. Boa semana.