top of page
  • Foto do escritorFutebol em Rede

CREPÚSCULO DOS DEUSES


Tá chegando a hora.

No próximo domingo, nove entre dez telas de TV’s exibirão o primeiro jogo da Copa do Mundo do Catar, entre os donos da casa e o Equador. Mas o que poucos torcedores perceberam é que além da emoção que o principal evento esportivo do planeta gera a cada quatro anos, um outro fato merece toda a atenção dos bilhões de seres humanos que amam o futebol: este será o último Mundial de dois dos maiores craques que este esporte já produziu em todos os tempos.

O primeiro deles é o português Cristiano Ronaldo. Com 37 anos, mesmo diante de sua genialidade é praticamente impossível que ele esteja na Copa do Mundo de 2026, pois então já terá completado 41 anos. Isso, claro, se Portugal conseguir ir ao próximo mundial, pois rumores apontam que a última partida da seleção lusitana nesta Copa será também a despedida do gênio com a camisa rubro-verde. Se isso de farto se confirmar, ele não disputará nem mesmo as próximas eliminatórias europeias.

O segundo deles é o argentino Messi. Com 35 anos já completos, ele terá 39 – uma idade avançadíssima para um atacante – quando começar a Copa do Mundo do Canadá, dos Estados Unidos e do México. Por mais que se cuide dentro e fora do campo e por mais que seu futebol siga encantando o planeta por mais uns dois os três anos, não é plausível que ele siga defendendo a camisa da Argentina por muito mais tempo.

Diante deste quadro, a pergunta que fica é a seguinte: quem poderá substituir Messi e Cristiano Ronaldo? A resposta não é nada simples. Afinal, enquanto o craque portenho já foi eleito sete vezes o melhor jogador do mundo, o maior ídolo de Portugal já obteve idêntica conquista cinco vezes. Ou seja: acreditar que algum atleta possa pelo menos se aproximar de ambos é sonhar com um futebol que, infelizmente, hoje não existe mais.

Contudo, a principal função de todos os que amam o jogo de bola é torcer, e por isso deixo aqui quatro nomes que têm condições, senão de substituir os dois geniais jogadores, ao menos de amenizar a saudade e diminuir o vazio que ambos, daqui a pouco empo, deixarão no coração de toda a galera.

O primeiro, claro, é o brasileiro Neymar, que várias vezes já esteve cotado para ganhar o prêmio entregue anualmente pela FIFA. Seu problema é que ele tem pouco tempo, pois já completou 30 anos e, seguindo a mesma lógica de Lionel e de CR7, terá no máximo mais uma Copa do Mundo, além desta, pela frente. Mesma situação vive o belga De Bruyne, excelente meio-campista que, no entanto, já conta 31 anos. Assim, as chances maiores ficam por conta do norueguês Haaland, de apenas 22 anos – mas que dada a fragilidade da Noruega no contexto do futebol mundial dificilmente disputará uma Copa do Mundo. Assim, aposto minhas fichas no francês MBappé que, aos 23, já tem em seu currículo o título de uma Copa do Mundo e, com certeza, pelo menos mais duas pela frente.

E vocês, meus amigos, em quem apostam?

­­­­­­­­­Márcio Trevisan é jornalista esportivo há 34 anos. Escritor com cinco livros publicados, começou no extinto jornal A Gazeta Esportiva, onde atuou por 12 anos. Editou várias revistas, esteve à frente de vários sites, fez parte de mesas redondas na TV e foi assessor de Imprensa da S. E. Palmeiras e do SAFESP. Há 17 anos iniciou suas atividades como Apresentador, Mestre de Cerimônias e Celebrante, tendo mais de 450 eventos em seu currículo. Hoje, mantém os sites www.senhorpalmeiras.com.br e www.marciotrevisan.com.br. Contatos diretos com o colunista podem ser feitos pelo endereço eletrônico apresentador@marciotrevisan.com.br



Comments


bottom of page