• Futebol em Rede

COUDET TEM MUITO A NOS ENSINAR

Olá amigos .


O argentino Eduardo Coudet, que foi bom jogador e hoje é treinador, está no Internacional de Porto Alegre e mostrando que tem muito a nos ensinar e colaborar para a atualização do nosso futebol, principalmente a muitos dos nossos treinadores.

Num dos últimos programas Bem Amigos da SPORTV, do grupo Globo, deu um show. Enfatizou algumas verdades que aqui muitos se negam a reconhecer:

1 – Pré-temporada de 10 dias.

2 – Gramados ruins, péssimos e poucos razoáveis ou bons.

3 – Calendário com várias competições e diferente do Europeu.

Faz tempo, toco nessas teclas.                       

A pré-temporada em 10 dias é criminosa e absurda. As contusões musculares que acontecem nos atletas nas primeiras rodadas são as mais variadas e algumas muito sérias. Todos sabem disso. Sabem, porém nada se faz para evita-las.

Os nossos gramados, com raras exceções, são péssimos. Felizmente em alguns estádios há uma preservação e/ou os sintéticos.

Defendo, faz anos, a tese de que o nosso calendário deve ser igual ao da Europa, que é o da FIFA, a entidade maior que não assume a responsabilidade de o impor em todo o globo terrestre: mês de julho férias; mês de agosto pré-temporada; início das competições em setembro com final da temporada em junho do ano seguinte.

Aqui nas Américas alguns países já adotaram esse calendário.

Neste ponto, vou relatar discussões homéricas que tive com vários jogadores e diretores de Sindicatos de atletas. Com o “Magrão” (Sócrates) foram inúmeras. Ele sempre alegava que dezembro é o mês de férias escolares, verão e as festas de fim de ano.

Eu retrucava dizendo que julho, aqui, também é mês de férias escolares e que a família poderia escolher calor ou frio aqui no Brasil ou em outros países do mundo. Quando o argumento era de que em dezembro acontecem as festas de fim de ano, eu replicava que de 23 de dezembro a 3 de janeiro, certamente ganhariam 10 dias para essas comemorações. No Brasil dificilmente se jogaria na véspera do Natal ou último dia do ano.

Sigo com o mesmo pensamento e lamento que o comando da FIFA não assuma o poder que tem: O CALENDÁRIO DO FUTEBOL É ÚNICO NO MUNDO TODO.

Durante a entrevista no Bem Amigos, Coudet revelou que é sobrinho de Filpo Nuñes, o meu saudoso amigo “Bandoneon”. “Milongêro”, boêmio, bailarino, jogador de baralho, apostador inveterado em corridas de cavalos e também namorador.

Com saudades das nossas conversas, confesso, UM DOS MELHORES TÉCNICOS QUE CONHECI. Criativo, dizia num misto de “portunhol”: “Mi time vá jugar no sistema PIM, PAM, PUM. Três toques na pelota e já vá chutar no gol do adversário.”

No Cruzeiro dizia: “Mi time vá jugar no sistema CARROCEL, todos rodando”. Lembro que quando Rinus Mitchell, técnico holandês em 74 montou a Laranja Mecânica, o Filpo me dizia: “Tá vendo? Mi time jugando assi, falavam que o gringo gosta do circo de cavalinho”.

Dele, Filpo, tenho muitas histórias e coisas para contar. Foi um dos melhores batedores de pênalti que vi. Batia, nos treinos, para mostrar aos jogadores, todas as cobranças no ângulo. E dizia: “Lá, donde a coruja dorme, ni se golero tem motorcinho na bunda vá chegar lá pra defender.” É verdade. No ângulo, não há chance de defender.

Prometo que na próxima edição contarei coisas engraçadas que vi e testemunhei desse cara maravilhoso, que faleceu morando de favor na favela de Heliópolis, em São Paulo. Garanto que vocês irão gostar.       

Um abraço,

Lucas Neto