• Futebol em Rede

CHINELADA DOEU


A goleada sofrida pelo Corinthians diante do Flamengo, 5 a 1, em Itaquera, doeu e precisa ser digerida. O Flamengo foi muito superior no jogo e é preciso lembrar, atuou com a zaga reserva e numa sequência desgastante de jogos. Imaginem o estrago se o Flamengo está descansado e inteiro. O Corinthians paga o preço pelos erros cometidos dos últimos tempos. A ideia de mudar estilo de jogo e a contratação de Tiago Nunes implodiu o time. A demora em reagir e a improvisação de Coelho só piorou. A pressão para que a canoa não afunde, só aumenta as trapalhadas.


Errar com Tiago Nunes é do jogo. O treinador fez bom trabalho no Athlético PR e era visto por muitos como promissor. Porém, faltou reação diante dos sinais de que a coisa não caminhava bem. A ilusão pós pandemia, com o time chegando na final do Paulista, esticou ainda mais o que não estava dando certo. O errou maior foi improvisar Coelho. Bom rapaz, amigo, mas sem experiência em caos. Para justificar o trabalho, foi buscar soluções na base. Efeito, inchou o time e aumentou o problema. Daí contrataram. Ato de desespero, sem critério, em busca de um salvador.


Wagner Mancini é solução mediana. O Corinthians precisava mesmo de treinador com rodagem. Treinador para ser escudo, que despertasse respeito de elenco, torcida e imprensa. Menos discurso, mas soluções práticas. A margem de erro é mínima. O estrago de Tiago Nunes foi grande com Cássio. Ele jogou responsabilidade no jogador. Lembrem. Tornou Cássio o líder do refeitório. Para deixar o local era necessário permissão do goleiro. Cássio virou o para raio. Cobranças, resultados ruins, ele caiu de rendimento e os erros estouraram na sua direção. Ele foi vítima de uma escolha errada. Tem história no clube, identificação, mas sem o perfil de liderança.


Ao Corinthians falta um líder no elenco. Alguém como Emerson Sheik, Ronaldo, Jadson, Renato Augusto, Elias, Neto e etc. Um casca grossa. Um jogador reativo diante das críticas. A cota de escolhas erradas está esgotada. Agora é conversar com o escolhido e deixar claro. A realidade é dura e o objetivo é não perder. Segundo passo, resgatar a confiança do elenco. Nova pancada como a do Flamengo, não terá nova chance. A prioridade é não afundar e na diretoria, fica quem tem conhecimento de futebol. Torcedor, volta para onde nunca deveria ter saído. E que comece o planejamento para a próxima temporada.