• Futebol em Rede

CBF: COMISSÃO DE ÉTICA SEM ÉTICA

Olá amigos.


Esta semana, a tão esperada decisão da Comissão de Ética da CBF sobre o afastamento do presidente Rogério Caboclo, em razão de “assédio sexual a funcionária, irregularidades, propinas”, foi anunciada.

Conforme o Estatuto da Entidade, ao receber a denúncia, Caboclo foi afastado do cargo pelo período de 30 dias por decisão da Comissão. Ganhou uns dias a mais graças aos seus advogados que preparavam a defesa.

Aí, a grande surpresa (surpresa?) definiu que o presidente Rogério Caboclo seja afastado do cargo por 15 meses. Portanto, em setembro de 2022 poderá voltar ao cargo e completar o mandato para o qual foi eleito com duração até 2023.

Detalhe enfatizado no anúncio da punição:

“Punição por 15 meses POR CONDUTA INAPROPRIADA (e não POR ASSÉDIO SEXUAL E MORAL).

No caso de CONDUTA INAPROPRIADA, irregularidades, propinas, uso de avião da CBF, venda do avião, compra de outro, outra acusação de assédio por outra funcionária e ... saiba-se mais o quê.

Detalhes do relato dessa outra acusação de assédio é bem pior que a primeira.

Diz a funcionária que foi chamada para ir ao apartamento do presidente para uma reunião sobre um assunto da CBF e a China (não disse qual) e que outro dirigente da entidade participaria desse encontro.

Observação importante: a primeira denúncia veio a público através de gravação que a funcionária fez de toda a conversa de Caboclo. Gravação levada ao ar nas emissoras de TV, emissoras de rádio, internet, etc.; a segunda denúncia é pior. Diz a moça que ao chegar à residência do presidente ele estava só, ofereceu vinho a ela, que não aceitou. Relatou que em seguida ele foi para o setor dos aposentos, voltou de short querendo abraçá-la e foi rechaçado. Na sequência, pelo pescoço e pelos cabelos empurrou-a, colocou as mãos entre as suas pernas e a calcinha. Nesse momento contou que foi salva pela chegada de refeição que tinha sido encomendada e também pela chegada do então diretor da CBF, Walter Feldman.

Esse relato está nos jornais, na internet e na acusação da depoente e dos seus advogados.

Comentou a funcionária que relatou o acontecido ao diretor Feldman, que respondeu em seguida: “Todo gênio é um pouco louco e ele tem um grande carinho por você”.

Todos esses detalhes , reitero, estão na internet, nos jornais, etc.

Em razão disso é que pergunto: “ONDE É QUE ESTÁ A ÉTICA DESSA COMISSÃO DE ÉTICA?”

Afastamento por 10 anos, por todos esses motivos é que seria o mínimo ao punir Rogério Caboclo.

Quanto ao assédio sexual e moral caberá à Justiça definir sobre o assunto.

Punição por 15 meses por CONDUTA INAPROPRIADA. Iremos acompanhar o desenrolar de tudo isso. Rogério Caboclo garante que provará a sua inocência.

Por ora, as 27 Federações em Assembleia Geral deverão se manifestar. O afastamento precisa ser aprovado por ¾ dos membros da assembleia: 21 votos.

Imagino como está essa briga de foice com promessas, acordo, por evidência, poder, comandos e sabe-se lá mais ou quê.

O FUTEBOL não merece isso.

O BRASIL NÃO MERECE ISSO. Quando enfatizo BRASIL é porque, infelizmente, também os nossos Três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) estão desacreditados.

SE DEUS É MESMO BRASILEIRO (POR FAVOR), AJUDE O NOSSO PAÍS.

Um abraço.

Lucas Neto