• Futebol em Rede

A camisa do Marcelinho é do Corinthians

A camisa do Marcelinho é do Corinthians. O encontro do ídolo corintiano com o presidente Bolsonaro deu o que falar com reações contra e a favor. Eu não gostei, achei a situação forçada e desrespeitosa com a história do clube. Marcelinho fez uma visita, ou aceitou um convite, e vestiu a camisa do seu antigo clube e deu outra de presente para o Presidente, que sempre se disse palmeirense. Ambos apareceram nas imagens com o manto sagrado corintiano.



Marcelinho perdeu um gol sem goleiro diante da grande maioria da torcida corintiana que não é bolsonarista. Ele jogou para a platéia que Bolsonaro é um raro democrata que veste a camisa de um clube rival sem cerimônia e defendeu a MP do Futebol, quando na verdade foi apenas um espetáculo político dos dois.



E ainda convocou a torcida corintiana a prestar atenção ao democrata que hoje comanda nosso país, que diga-se de passagem, como diria Neto, foi eleito democraticamente, mas é reacionário de carteirinha, é homofóbico por natureza, e tem uma grande admiração por torturadores da época da Ditadura. Aliás, para ele o Brasil não viveu uma Ditadura, foi apenas um Regime Militar que devia ter matado mais gente, matou muito pouco. Quem falou isso foi ele, não eu, que fique bem claro.



Quando Marcelinho faz um evento para todo o Brasil por interesse próprio usando o Corinthians, um clube que tem uma história diametralmente oposta à essas posições, se mostra muito desinformado ou não teve discernimento razoável para entender a história do clube onde jogou e foi ídolo. É apenas mais um alienado que jogava bem futebol.



Marcelinho confunde as coisas e agiu, na minha opinião, "desonestamente". O mínimo que devia ter feito, já que era reconhecido como ex-jogador e embaixador oficial do patrocinador do clube, seria comunicar aos dirigentes alvi-negros que teria um encontro com o presidente e que se nesse encontro poderia entregar-lhe uma camisa, gravar mensagens, fazer Lives, fazer propaganda política e da MP do futebol, que nos bastidores se chama Lei Flamengo. Se tivesse autorização, sem problema. Afinal, Marcelinho esqueceu do básico. A camisa é do Corinthians e não tem o direito de usá-la dessa forma.



Vale lembrar que grandes jogadores do passado trabalharam no governo. Arthur Antunes Coimbra, o grande Zico, foi Secretário de Esportes, no governo Fernando Collor de Melo e Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, foi Ministro do Esporte de Fernando Henrique Cardoso. Não me lembro de ter visto o Zico usando a camisa do Flamengo ou Pelé com a camisa do Santos nessas funções.